Azeite Extravirgem Oliveira Ramos Premium

O Oliveira Ramos Premium é produzido em Estremoz, no Alentejo, sul de Portugal, a partir de azeitonas da variedade Cobrançosas, Picual e Galega colhidas mais cedo que de costume para dar ao azeite um perfil elegante, mais verde e mais frutado. A produção é pequena para manter a elevada qualidade. Entre os aromas desse azeite único estão o frutado intenso de azeitonas verdes, notas de maçã e frutos secos e folhas de oliveira. Em boca, possui frescor e equilíbrio exato entre as sensações de amargo e picante e excelente persistência. A acidez máxima é de 0,2%. É indicado como tempero em alimentos crus e saladas, mas também pode acompanhar pratos quentes como carnes e peixes assados ou grelhados. Entre outros prêmios que já recebeu estão medalhas de ouro e prata no Concurso Nacional de Azeites Virgem Extra em Santarém, prata no Los Angeles Internacional Extra Virgin Olive Oil Competition e, por dois anos consecutivos, medalha de ouro no concurso de Los Angeles, na categoria de Packaging Design.

BX 1
Colheita das azeitonas em Estremoz, Alentejo, sul de Portugal.

 

BX 3
Momento de colheita das azeitonas do Oliveira Ramos Premium.

 

bx 2
O azeite extravirgem Oliveira Ramos Premium é elaborado a partir de azeitonas da variedade Cobrançosas, Picual e Galega.
Tags: , , , , , ,

Maio: Mês das Mães

Dia 8 de maio comemora-se o Dia das Mães e a nossa sugestão de presente para surpreendê-las é o vinho Justino’s Madeira 3 anos, um clássico português. Elaborado na Ilha da Madeira, com as uvas Complexa, Negra Mole, Tinta da Madeira e Triunfo, é um fortificado doce extremamente agradável, macio e equilibrado, com um longo final em boca. Amadurece por 3 anos em carvalho. A graduação alcoólica é de 19%.

Tags: , , , , , , , ,

Dica de vinho chileno

O Chile é uma faixa longa de terra delimitada pelos Andes e pelo Pacífico, que atuam como barreiras naturais protegendo as videiras. De norte a sul, o país apresenta rica diversidade de terroir e microclimas que favorecem o cultivo de inúmeras variedades de uvas, sendo a Carmenère a mais emblemática e a Cabernet Sauvignon uma das mais cultivadas e reconhecida pela qualidade.

111025 Vineyard 2

Santa Carolina Estrellas Carmenère 2014

Vinho tinto chileno elaborado pela Santa Carolina, na DO Vale do Rapel, com 100% Carmenère. Possui aroma de frutas escuras (cereja), notas de pimenta preta e especiarias. Na boca é seco, possui médio corpo, acidez em equilíbrio com seus taninos macios e final persistente. A Estrellas é uma linha de vinhos varietais de caráter jovem e frutado. A graduação alcoólica é de 13,5%.

111025 Miraflores 3

Tags: , , , , , , , ,

Dica de vinho francês

A França é um país onde o vinho faz parte da cultura desde os tempos mais remotos. Com uma legislação complexa e rigorosa, o país firmou-se como sinônimo de vinhos de qualidade que estão entre os mais desejados do mundo. É na França que nasceu o conceito de terroir, que garante identidade e tipicidade aos vinhos.

Para conhecer melhor o país, a dica é o Château Reynon tinto, vinho francês elaborado pelo enólogo Denis Dubourdieu com as uvas Merlot, Petit Verdot e Cabernet Sauvignon, na região de Côtes de Bordeaux, Cadillac. Amadurece em barricas de carvalho francês por 12 meses. Possui aroma suave e elegante e no paladar é seco, aveludado e elegante. A graduação alcoólica é de 14%.

Tags: , , , , , , ,

500 anos da Lei de Pureza Alemã

No próximo sábado, dia 23 de abril, comemora-se meio século da promulgação do documento Reinheitsgebot ou “exigência da pureza”, que costumamos chamar de Lei de Pureza da Cerveja Alemã. Ela orienta que apenas quatro elementos podem ser utilizados na elaboração da bebida: água, malte de cevada, lúpulo e levedura. A Paulaner, a marca de cerveja mais festejada da Alemanha, trazida ao Brasil pelas importadoras Porto a Porto e Casa Flora, elabora suas cervejas segundo essa Lei.

Alguns estudiosos dizem que a Lei se baseia no decreto do Duque Guilherme 4º da Baviera, que naquela época queria proteger os consumidores de produtos que pudessem conter ingredientes tóxicos. Já Michael Jackson, autor do Guia Ilustrado Zahar Cerveja, conta que há 500 anos a cerveja de trigo era muito comum na Alemanha, o que causou a escassez de pão. Para reverter essa situação, proibiu-se que se usasse outro cereal, que não a cevada, para fazer cerveja, o que deu à cerveja bávara uma garantia de pureza que foi uma grande vantagem comercial na época. Já outro estudioso, Marcio Beck, lembra que a lei original não tinha nem nome, nem incluía as leveduras – já que só no século XIX elas foram reconhecidas como fundamentais para a fermentação, por Louis Pasteur. Além disso, só em 1918 ela foi batizada de Reinheitsgebot.

Independentemente da motivação para a criação da Lei de Pureza, o mundo cervejeiro só teve a ganhar e até hoje a qualidade dos exemplares bávaros é inquestionável, o que você pode comprovar ao degustar uma Paulaner.

geheimnisse_mass_1

Paulaner: de onde vem e do que é feita

Quem já experimentou sabe por que a Paulaner é a cerveja mais festejada da Alemanha. Além de ter mais de 300 anos de história, a marca conseguiu aproveitar o máximo da tecnologia sem perder a tradição. A Paulaner é feita na Baviera, estado ao sudeste do país, cuja capital é a efervescente Munique, onde a arquitetura contemporânea mescla-se à medieval com direito a castelos de conto de fadas. No inverno, o frio é intenso e excelente para esportes nos Alpes; na primavera, o verde reaparece e os bávaros festejam com a Oktoberfest. Dizem que a população consome mais de 100 litros de cerveja por pessoa ao ano.

A cervejaria Paulaner foi fundada em 1634, pelos monges do monastério São Francisco de Paula. Hoje é a maior cervejaria de Munique e também a maior produtora de Weissbier (cerveja de trigo) da Alemanha, além de ser a mais vendida do país europeu. Todas as cervejas Paulaner são feitas de acordo com a Lei de Pureza, utilizando-se somente cevada da Baviera, leveduras de cultivo próprio, lúpulo de Hallertau (uma área da Baviera listada como a maior área de cultivo de lúpulo do mundo) e água pura glacial da fonte de 240m de profundidade. Confira nossas sugestões.

1paulanergarten_1

Cerveja Paulaner Müchner Hell

Cerveja feita de Puro Malte de cevada. Estilo Munich Helles e tipo de fermentação LAGER (baixa fermentação). Apresenta coloração amarelo-ouro, leve com aroma de malte de cevada e lúpulo, amargor equilibrado e muito refrescante. Harmoniza com aperitivos, saladas e pratos leves. A graduação alcoólica é de 4,9%.

Cerveja Paulaner Hefe-Weissbier Naturtrüb

Umas das Weissbiers alemãs mais consumidas do mundo, elaborada com 60% de malte trigo e 40% de cevada, naturalmente turva. Estilo German Weizen e tipo de fermentação ALE (alta fermentação). Apresenta aromas frutados provenientes da levedura. Em boca destacam-se as notas de frutas amarelas, refrescante com boa acidez e amargor equilibrado. Harmoniza com entradas, saladas, peixes, aves, salsichas brancas, queijos meia cura e sobremesas a base de frutas. A graduação alcoólica é de 5,5%.

Naturtrub nova bx

Cerveja Paulaner Salvator

Foi a primeira cerveja da Paulaner fabricada pelos monges para consumo durante o jejum da Quaresma e por isso recebeu o apelido de “pão líquido”. Estilo Doppelbock e tipo de fermentação LAGER (baixa fermentação). Apresenta aromas de caramelo, lembrando amêndoas e nozes. O álcool está bem inserido no conjunto e delicadamente equilibrado por lúpulos nobres. É escura, forte e com personalidade. A graduação alcoólica é de 7,9%.

Salvator bx

 

Tags: , , , , , , , ,

Gramona

A Gramona é uma bodega familiar situada na região de Barcelona desde 1881. A vinícola fica aos pés da cordilheira de Montserrat, à beira do Mediterrâneo e no coração de Penedès, a região mais célebre para a produção de cavas. Há cinco gerações mantém a filosofia de preservar a tradição dos vinhos da região, buscar a melhor expressão do terroir e manter a máxima qualidade dos produtos.

Para o espumante ser chamado de Cava deve obedecer a algumas regras como ser elaborado a partir do método clássico (o mesmo utilizado em Champanhe); amadurecer em contato com as borras por, no mínimo, 9 meses; ser produzido em Penedès; e também ser feito das uvas Parrelada, Xare-lo e Macabeo, apesar de a Chardonnay e a Pinot Noir também serem aceitas atualmente.

foto 1

Algumas curiosidades: a Catalunha é uma região na qual a primeira língua não é o espanhol e sim o catalão. É também o local onde nasceram grandes artistas, como Salvador Dalí, Pablo Picasso e Antoni Gaudí.

foto 2

 

Conheça os produtos disponíveis no Brasil aqui.

Tags: , , , , , , ,

Dia do Malbec

No próximo dia 17 de abril o mundo comemora o Dia do Malbec, a uva emblemática da Argentina. Nada melhor para celebrar a data que um belo vinho da casta. Para ajudar na escolha, separamos três opções da Nieto Senetiner, vinícola referência do país e reconhecida internacionalmente, que demonstram a personalidade da uva em solo argentino. Os vinhos são trazidos ao Brasil pelas importadoras Porto a Porto e Casa Flora.

 Emília Malbec

Elaborado na região de Mendoza possui cor vermelha intensa e aromas que lembram ameixa madura e geleia de frutas vermelhas, com notas defumadas oriundas de seu estágio em barrica. No paladar é seco, elegante e equilibrado, com taninos suaves.

Emilia Malbec

Nieto Senetiner Malbec DOC

Vinho argentino elaborado com 100% Malbec (vinhas com 45 anos, em média), em Luján de Cuyo, em Mendoza. A certificação DOC é dada por um conselho de especialistas aos vinhos provenientes de uma zona com terroir particular e que foi elaborado segundo normas rígidas de qualidade. Amadurece durante 12 meses em barricas de carvalho francês. Possui aroma de frutas maduras como ameixa e figo, com notas de baunilha e tabaco. Em boca é um vinho com muita personalidade, encorpado e elegante.

Malbec DOC

 

Don Nicanor Malbec

Vinho elaborado em Agrelo, Luján de Cuyo, Mendoza, em vinhedos com 30 anos de idade – Agrelo é considerado o melhor terroir em Mendoza para a produção da Malbec. Esse vinho amadurece durante 12 meses em barrica de carvalho francês de segundo uso. Na degustação, apresenta cor vermelha brilhante com nuances violeta e intensos aromas de cassis com notas de baunilha. Em boca é elegante, fresco e delicado.

Don Nicanor Malbec

 

O mundo celebra o Malbec

O dia 17 de abril de 1853 marca a apresentação de um projeto para a fundação da Escola de Agricultura na Argentina, com o objetivo de desenvolver a indústria vinícola do país. Poucos anos mais tarde, o país começou a despontar como grande produtor de vinhos, em especial da uva Malbec. Pela importância histórica da data, a instituição Wines of Argentina (WofA) escolheu o dia 17 de abril para as comemorações do Dia do Malbec.

Origens

Graças à Argentina a Malbec é uma estrela, mas as origens da uva são europeias. Em Cahors, sudoeste da França, desde os tempos do Império Romano, eram elaborados vinhos tintos chamados “de Cahors”, com a casta Cot. No século XVIII essa mesma uva foi levada para Bordeaux, onde era cultivada para dar corpo e cor aos tintos mais delicados feitos por ali. Depois do estrago que a filoxera fez na Europa, em meados do século XIX, sobrou muito pouca Cot para contar a história na França. A sorte é que ela já tinha sido levada para a Argentina na tentativa de elevar a qualidade da indústria vinícola do país pelas mãos dos imigrantes italianos e franceses. Logo a casta mostrou todo potencial nos diferentes terroirs argentinos e começou a produzir vinhos melhores que em seu país de origem. Atualmente a Argentina é o principal produtor de Malbec do mundo, seguida por França, Itália e Espanha.

Tags: , , , , , , , ,

Como se fala?

Dicas de pronúncia de nomes de uvas e regiões vinícolas!

Cabernet Sauvignon = ca ber nê so vi nhon

Beaujolais = bo jo lé

Chardonnay = char do né

Muscat = mus cá

Pinot Noir = pi nô nuar

Rioja = ri O ha

Sauvignon Blanc = so vi nhon blanc

Valpolicella = val po li TCHÉ la

Bourgogne = bur go nhe

Chablis = cha blí

Châteauneuf-du-Pape = cha tô nêf du páp

Chianti = qui Anti

Haut-Médoc = ô me dóc

Merlot = mer lô

Tags: , , , , , , ,