Família é fundamental!

Hoje, dia 15 de maio, é o Dia Internacional da Família! Para comemorar nada melhor que um vinho chileno como o Santa Carolina Reserva de Familia Cabernet Sauvignon ou o Santa Carolina Reserva de Familia Carmenère. Essa linha foi criada em 1975, quando Don Luis Pereira conseguiu realizar o sonho de produzir finas cepas no Vale do Maipo, no Chile. Ele decidiu que as melhores colheitas iriam para o seu Reserva de Familia e criou um exemplar clássico que foi o primeiro chileno a receber uma premiação internacional: medalha de ouro na Exposição Universal de Paris, em 1889. Atualmente esta linha apresenta vinhos de diferentes regiões do Chile. Em comum, eles têm a complexidade, a estrutura definida e a tipicidade das uvas clássicas.

Santa_Carolina_Cabernet_Sauvignon

Santa Carolina Reserva de Família Cabernet Sauvignon

Elaborado no Vale do Maipo, esse tinto apresenta aromas de cassis, figo, cedro, baunilha e chocolate amargo misturado com notas florais e de cereja preta, ameixa e sândalo. Em boca, é complexo, equilibrado e com grande concentração de frutas vermelhas, com taninos finos e acabamento elegante. O amadurecimento é realizado em barricas de carvalho francês por 18 meses, além de passar 6 meses em adega antes da sua comercialização. Harmoniza com carnes vermelhas com cebola refogada e cordeiro assado.

Santa_Carolina_Carmenere

Santa Carolina Reserva de Família Carmenère

O Vale do Rapel é a área do Chile onde se produz a maior variedade de vinhos finos com estrutura, tipicidade, concentração de frutas e complexidade. Esse vinho envelhece por 15 meses em barricas e mais 6 meses em garrafa antes de ser comercializado. Possui aromas minerais, toques de ervas, especiarias, amoras e ameixas. Em boca, é macio e concentrado, com taninos suaves e maduros. Ideal para acompanhar carnes vermelhas como cordeiro, comidas apimentadas e a culinária mexicana.

 

Tags: , , , ,

Dica de Harmonização

 

porto_card_polenta_pinot_BX

Apresentamos uma deliciosa sugestão para esses dias mais frios. Confira nossa Dica de Harmonização: Polenta Paganini cremosa com ragu de cogumelos com o vinho tinto Cefiro Pinot Noir.

Ingredientes

200g de polenta instantânea Paganini

1 litro de caldo de carne

200g de queijo Mascarpone

200g de tomate pelado em cubos Paganini

100g de queijo Parmesão em lascas

150g de cogumelo Paris laminado

150g de cogumelo Shitake em julienne

15g de funghi porcini secchi Paganini

100g de manteiga sem sal, em cubos e gelada

Salsinha em moagem a gosto

Sal e pimenta-do-reino moída na hora, a gosto

Como fazer

Levar uma panela ao fogo e aquecer o caldo de carne, temperar com sal e pimenta-do-reino e, quando começar a ferver, adicionar a polenta gradativamente, sempre mexendo. Cozinhar em fogo baixo por 3 minutos aproximadamente. Adicione o queijo mascarpone, corrija o sal e finalize com 50g de manteiga. Em uma frigideira, aquecer o restante da manteiga e grelhar os cogumelos. Adicione os tomates, tempere com sal e pimenta-do-reino e finalize com a salsinha. Para servir, faça uma base com a polenta, coloque os cogumelos e finalize com o queijo parmesão em lascas.

 

Harmonização: Cefiro Pinot Noir

Para acompanhar a Polenta Paganini cremosa com ragu de cogumelo nossa indicação é o vinho Cefiro Pinot Noir. Esse tinto chileno vem do Vale de Casablanca, uma das regiões vinícolas de clima fresco mais célebre do país e um destino turístico de destaque graças a Rota 68, que vai de Santiago do Chile a Valparaíso. De cor rubi intenso, apresenta aromas de terra, flores e frutas. Em boca, possui notas de canela e framboesa preta. Possui acabamento suave e aveludado, pois ficou entre 6 e 8 meses em barricas de carvalho, sendo 50% barricas novas de carvalho francês.

Bom apetite!

*Receita desenvolvida pela equipe Espaço Gourmet.

Tags: , , , ,

Azeite de Oliva com qualidade garantida

azeites
O azeite de oliva extra virgem não apresenta nenhum defeito em relação a sabor e aromas.

Muito se fala sobre os benefícios que os azeites de oliva trazem à saúde, como redução do mau colesterol, auxílio no combate à osteoporose, os efeitos da ação antioxidante, além das inúmeras vitaminas que só fazem bem ao organismo. Essa série de benefícios está relacionada ao processo extrativo, a acidez, ao sabor e ao aroma. Basicamente o extra virgem é superior aos demais porque não passa por nenhum processo de refinamento químico e é prensado a frio, o que preserva seus componentes benéficos. Também não apresenta nenhum defeito em relação a sabor e aromas e possui acidez máxima de 0,8%. Teoricamente é fácil identificar e diferenciar um tipo de outro, mas, infelizmente, alguns fabricantes não são totalmente honestos ao informar as características de seus produtos.

Para que o consumidor conheça realmente o produto que está levando para casa pode-se contar com a Associação Brasileira de Produtores, Importadores e Comerciantes de Azeite de Oliveira – a OLIVA. Desde 2001, o objetivo dessa associação é valorizar os produtos autênticos e evitar que o consumidor seja vítima de fraudes. Para isso, a OLIVA realiza testes no laboratório especializado em análises de azeite de oliva da Faculdade de Engenheira de Alimentos da Unicamp – Departamento de Óleos e Gorduras. A credibilidade e a seriedade deste laboratório vão de encontro ao posicionamento ético praticado por toda a equipe da associação.

azeitona_preta
A OLIVA é uma associação brasileira que valoriza os produtos autênticos.

Periodicamente são coletadas amostras das diversas marcas do mercado brasileiro. Compradas no varejo, sempre em conjunto por no mínimo dois diretores da Associação, em uma quantidade de cinco amostras de cada produtor, elas são lacradas, identificadas e relacionadas em um relatório assinado pelos diretores que executaram o processo. Em seguida, duas amostras são enviadas para laboratórios nacionais credenciados para análise: uma é enviada ao Conselho Oleícola Internacional (COI) para análise em laboratórios internacionais credenciados e as duas restantes ficam como contraprova em poder da Associação.

A função da análise solicitada pela OLIVA é checar se o produto é azeite de oliva. Além de colaborar com o Poder Público no combate a fraude em falsificação no Brasil, a OLIVA une empresas e entidades ligadas a produção do produto, implementa programas de qualidade e preserva a imagem junto aos consumidores.

Fique atento: nesse link você pode conferir algumas marcas analisadas nas quais foram encontradas irregularidades: http://www.oliva.org.br/controle-de-qualidade

oliva
Fique atento na hora de escolher o produto que levará para casa.

Tags: , , , ,

Le Rosé de Floridene

Galerie79270636
Le Rosé de Floridene: ótima dica para o Dia das Mães.

Nesse Dia das Mães, nossa dica de presente é um vinho elegante, delicado e persistente. O francês Le Rosé de Floridene, produzido por Denis Dubourdieu, feito na região de Graves, em Bordeaux, é um corte das uvas Cabernet Sauvignon (60%) e Merlot (40%). Visualmente é rosa pálido, possui elegantes aromas de frutas cítricas (como maracujá) e frutas vermelhas (como cassis e morango), além de notas tostadas e minerais. Em boca é seco, com acidez marcada e muito saboroso. Para harmonizar, sugere-se risoto de frutos do mar e queijo brie, terrines agridoces com peixes brancos ou macarrão com brócolis e azeite trufado. Com certeza é um vinho que irá agradar muito todas as mães!

Le Rose de Floridene 2008_bx

O produtor Dennis Dubourdieu é tido como o mestre que revolucionou os métodos de elaboração de vinhos brancos. Ele e sua esposa Florence são descendentes de famílias tradicionais da região de Bordeaux. Com a ajuda do seu filho Frabrice, engenheiro em enologia, eles produzem vinhos em aproximadamente 100 hectares. Atualmente a família faz vinhos nas regiões de Sauternes, Graves e Premières Cotes de Bordeaux. O vinhedo mais antigo é o Château Doisy-Daëne, adquirido em 1924. O Clos Floridene, em Pujols sur Ciron, na área de Graves, começou a ser ampliado progressivamente pelo casal a partir de 1982, através da compra sucessiva de diversas terras localizadas nos melhores solos da vinicultura.

Tags: , , , ,

Azeite Oliveira Ramos Premium ganha medalha de ouro

azeite virgem JPR_bx
Medalha de ouro para o Azeite Oliveira Ramos Premium.

O azeite de oliva português Oliveira Ramos Premium recebeu medalha de Ouro no Concurso Regional de Azeites Fiape 2015, a feira Internacional de Agropecuária de Estremoz, no fim do mês de abril, em Portugal. A premiação reflete a excelência do produto feito pelo reconhecido enólogo João Portugal Ramos, nome associado aos melhores vinhos portugueses, e consolida a JP Ramos como marca gourmet de alta qualidade.

O Oliveira Ramos Premium é produzido em Estremoz, no Alentejo, sul de Portugal, a partir de azeitonas da variedade Galega, Cobrançosas e Picual colhidas mais cedo que de costume para dar ao azeite um perfil elegante, mais verde e mais frutado. A produção é pequena para manter a elevada qualidade. Entre os aromas desse azeite único estão o frutado intenso de azeitonas verdes, notas de maçã e frutos secos e folhas de oliveira. Em boca, possui frescor e equilíbrio exato entre as sensações de amargo e picante e excelente persistência. A acidez máxima é de 0,2%.

O azeite Oliveira Ramos Premium é indicado como tempero em alimentos crus e saladas, mas também pode acompanhar pratos quentes como carnes e peixes assados ou grelhados. Entre outros prêmios que já recebeu estão medalhas de ouro e prata no Concurso Nacional de Azeites Virgem Extra em Santarém, prata no Los Angeles Internacional Extra Virgin Olive Oil Competition e, por dois anos consecutivos, medalha de ouro no concurso de Los Angeles, na categoria de Packaging Design. O Azeite Oliveira Ramos Premium é trazido para o Brasil pelas importadoras Porto a Porto e Casa Flora.

O produto pode ser encontrado nos melhores mercados e delicatessen do país.

Tags: , , , ,

Marinada na cerveja

Você já deve ter ouvido falar que quando vai usar um vinho em uma receita deve escolher o mesmo rótulo que irá acompanhar o prato. Com as cervejas a regra é a mesma: escolha para temperar aquela que irá degustar.

Hefe-Weisbier Naturtrub_bx
Experimente marinar carnes com as cervejas Paulaner.

Cervejas são frequentemente utilizadas para marinar carnes porque contêm uma enzima que ajuda a quebrar as fibras, deixando a peça mais macia, e a realçar o sabor. Marinar é um procedimento bastante antigo na história da gastronomia, pois na época em que não havia geladeira, por exemplo, era uma alternativa para conservar os alimentos.

Se for escolher uma cerveja para marinar carne vermelha ou branca, leve em consideração que ela não deve ser muito leve nem extremamente forte, pois o sabor da bebida não deve sumir nem atropelar os outros temperos. Por sinal, é importante avaliar quais serão os temperos, como manjericão, tomilho, orégano, entre outros, para que os sabores enriqueçam a receita.

A nossa dica é inspirada na chef de cozinha inglesa Nigella: pegue um saco plástico daqueles que fecham com zíper, coloque primeiro a carne, depois a marinada, feche e leve à geladeira pelo tempo necessário. É uma maneira prática, permite que todo o alimento fique em contato com o líquido e evita maiores sujeiras. Experimente em casa marinar coxa e sobrecoxa de frango com especiarias e Paulaner Hefe-Weissbier Naturtrüb. Fica uma delícia!

Tags: , , ,

Mostarda SOZ

1024-mustard
Os molhos de mostarda SOZ combinam ingredientes de diversas regiões do mundo em temperos suaves e surpreendentes.

Além de vinhos, cinema e futebol, os argentinos também sabem fazer mostarda! A prova disso são os molhos de mostarda SOZ, trazidos ao Brasil pelas importadoras Porto a Porto e Casa Flora. A proposta da marca é integrar os sabores de diferentes regiões do mundo de forma harmônica ao molho de maionese e de mostarda. Assim, o wasabi utilizado vem da Ásia e o aceto da italiana Modena, por exemplo. São três os tipos que chegaram ao Brasil: Molho de Mostarda com Mel, Molho de Mostarda com Azeite de Oliva e Aceto e Molho de Mostarda com Wasabi.

A SOZ nasceu na Argentina, em 2004, para produzir temperos gourmet de qualidade, cuja estratégia é a escolha das melhores matérias-primas do mundo para elaboração de seus produtos. Assim foram desenvolvidos temperos inovadores e exclusivos, além de deliciosos.  Conheça os molhos de mostarda SOZ disponíveis no Brasil.

Um é pouco, dois é bom e três é demais!

Molho de Mostarda com Mel (embalagens de 200ml e bisnaga 338ml)

Uma combinação suave e equilibrada entre grãos de mostarda superfinos e mel selecionado. Ideal para qualquer tipo de prato, como carne, frango ou peixe, além de acompanhar legumes e saladas.

1024-oliva
Entre os aromas, notas florais do mediterrâneo.

Molho de Mostarda com Azeite de Oliva e Aceto (embalagem de 200ml)

Elaborado com aceto balsâmico italiano e um excelente azeite de oliva de Mendoza, possui delicadas notas florais da cozinha mediterrânea. Ideal para acompanhar saladas, carnes vermelhas, brancas e peixes.

1024-wasabi
Todo o sabor do wasabi de forma suave.

Molho de Mostarda com Wasabi (embalagem de 200ml)

A base é molho de soja e wasabi, a planta extraída de uma raiz de sabor forte, no Japão. O resultado é uma combinação elegante e surpreendente, que remete aos sabores asiáticos.

 

Disponível nos melhores mercados e delicatessens do Brasil.

Tags: , , ,

Vinho do Porto e a Caves Messias

Uma das mais belas regiões vinícolas do mundo dá origem ao peculiar vinho do Porto. No Douro, ao norte de Portugal, a paisagem é uma verdadeira obra-prima da natureza. Montanhas recortadas pelo rio que dá nome àquelas terras são marcadas pelo esforço do homem para que das pedras pudessem prosperar as vinhas.

O solo do Douro é composto basicamente de granito e xisto. Tradicionalmente os socalcos (aquelas escadarias da paisagem) eram construídos com terras puxadas do rio suportadas por muros de pedras, mas o custo para esse tipo de construção é proibitivo há tempos e deu lugar aos patamares, feitos por máquinas. As encostas muito acidentadas exigem que a colheita seja manual e a inclinação é perfeita para a drenagem e insolação necessárias.

Nessas situações, as uvas amadurecem perfeitamente e mantém altos teores de açúcares. A Tinta Nacional reina ao lado de Touriga Franca, Tinta Roriz, Tinto Cão, Tinta Barroca, entre outras. Os produtores tentam retirar o máximo de tanino e cor das uvas em pouco tempo e por isso uma das cenas clássicas da região são os homens abraçados e descalços fazendo a “pisa a pé” nos lagares, pois se acredita que essa é a melhor maneira para a extração das substâncias que darão vida ao vinho do Porto. Hoje esse método está reservado a pequenas produções e na maioria das vinícolas a pisa é simulada por máquinas.

porto

Tradição e excelência são coexistentes nessa que foi a primeira região demarcada do mundo, em 1756, por Marquês de Pombal. Naquela época, para suprir a necessidade dos sedentos e briguentos ingleses, que viviam fazendo restrições aos produtos franceses, o vinho do Porto era uma alternativa bastante viável. Como a viagem até a Inglaterra era longa, colocava-se aguardente no vinho para mantê-lo consumível. O vinho do Porto ainda era seco, só no século XIX é que se começou a interromper a vinificação através da adição do álcool vínico para manter o açúcar residual da bebida, então ele passou a ser classificado como fortificado.

Por sinal, apesar de ser produzido com as uvas do Douro e ser envelhecido nas caves de Vila Nova de Gaia, o vinho do Porto leva esse nome por causa da cidade de onde é exportado. Ao lado dos vinhos Madeira e Jerez, os Portos estão entre os mais importantes vinhos fortificados do mundo.

Caves Messias

Quinta do Cachão.
Quinta do Cachão.

A Caves Messias foi fundada em 1926, por Messias Baptista, que manteve a administração da empresa até 1973, hoje assegurada pelos descendentes da família. A produção de vinho do Porto acontece em Ferradosa, onde está a Quinta do Cachão, local onde as videiras foram plantadas pela primeira vez em 1845 pelo Barão do Seixo, sendo mais tarde adquiridas pela família Afonso Cabral, que por sua vez a vendeu aos Messias, em 1956. Atualmente a área é de 200 hectares, sendo 130 hectares ocupados com vinha, para a produção de Vinho do Porto e do Vinho Douro Quinta do Cachão. As instalações onde acontece a fabricação, o armazenamento e o envelhecimento dos vinhos possuem mais de 5.000 metros quadrados. Conheça dois exemplares de vinho do Porto Messias, trazidos ao Brasil pelas importadoras Porto a Porto e Casa Flora. Confira a bela história da Caves Messias nesse vídeo.

Porto Messias Ruby

Foto Porto Messias Ruby_BX

 

Possui caráter jovem e frutado, é bastante aromático e em boca possui notas de frutas vermelhas. É rico e aveludado, excelente como aperitivo, além de acompanhar sobremesas à base de chocolate.

Porto Messias Tawny

Foto Porto Messias Tawny_BX

Possui cor alaranjada, aroma de frutas vermelhas em compota e, em boca, toques de baunilha. Também indicado como aperitivo ou para acompanhar sobremesas.

Tags: , , , , , , ,